Notícias › 07/05/2015

Seguro-desemprego: Câmara aprova mudanças

Após muitas discussões, projeto de conversão da MP 665 foi aprovado com margem apertada.

Deputados oposicionistas protestam durante a votação da MP 665. (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

Deputados oposicionistas protestam durante a votação da MP 665. (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

Após mais cinco horas de discussão, com direito a bate-boca e sessão suspensa, o plenário da Câmara aprovou na noite desta quarta-feira (6), a votação do texto-base da Medida Provisória nº 665, que altera as regras de concessões de seguro-desemprego e abono salarial.

Desde a terça-feira (5), o governo Dilma Rousseff escalou ministros e pediu apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao presidente do PT, Rui Falcão, para assegurar o apoio dos deputados petistas e peemedebistas, representantes dos dois maiores partidos da base. Ambos resistiam a apoiar publicamente a proposta tida como impopular. O texto passou por 252 votos a favor, 227 contra e uma abstenção.

Parlamentares da oposição protestaram contra a medida logo após o resultado em plenário. “PT pagou com traição, a quem sempre te deu a mão”, entoaram, cantando. Mesmo antes da votação, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), agradeceu o apoio dos partidos da base, em especial o PT e o PMDB, à medida provisória.

“Nós estamos votando uma matéria que diz respeito ao futuro do nosso país, nós queremos que esse gesto o Congresso Nacional sinalize para o país que nós não estamos tirando nenhum direito do trabalhador brasileiro”, disse Guimarães. Durante a discussão os líderes petistas e do bloco liderado pelos peemedebistas foram os principais defensores da base aliada da aprovação da MP.

Por outro lado, os oposicionistas PSDB, DEM, PSB, PPS e Psol posicionaram-se contrariamente. “Esse não é um projeto de lei de conversão, é um projeto de lei da traição ao trabalhador”, criticou o líder do DEM, Mendonça Filho (PE). “O PT deixou de ser o Partido dos Trabalhadores”, cutucou o líder da Minoria, Bruno Araújo (PSDB-PE).

A principal surpresa na votação ocorreu com o PDT, partido da base aliada cujo líder André Figueiredo (CE) orientou a bancada a votar contra. Os pedetistas chegaram a receber, antes da votação, a visita do ministro do Trabalho, Manoel Dias, indicado pelo partido para o governo. “O PDT não se rende por cargos e, se quiserem os cargos, vai entregar”, provocou Figueiredo.

Matéria completa: http://www.domtotal.com/noticias/detalhes.php?notId=893035

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.