Notícias › 18/12/2017

Recessão levou 9 milhões de brasileiros de volta à pobreza

Crise econômica que eclodiu em 2015 interrompeu uma década de ascensão econômica que tirou 40 milhões de brasileiros da pobreza

Dos 13 milhões que vivem na extrema pobreza atualmente, quase metade entrou nessa condição nos últimos dois anos (Foto: VLADIMIR PLATONOW/AGÊNCIA BRASIL)

Dos 13 milhões que vivem na extrema pobreza atualmente, quase metade entrou nessa condição nos últimos dois anos (Foto: VLADIMIR PLATONOW/AGÊNCIA BRASIL)

A crise econômica levou mais de 9 milhões de brasileiros de volta à pobreza, entre 2015 e 2016. Destes, 5,4 milhões vivem atualmente em condição de “extrema pobreza“. O levantamento foi realizado pelo Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), que apontou o aumento do desemprego e a deterioração da renda como causas. O estudo, divulgado pelo jornal Valor Econômico, cruzou dados da Síntese de Indicadores Sociais e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), ambos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na reportagem, especialistas ressaltam que, entre 2004 e 2014, cerca de 40 milhões de pessoas deixaram a linha da pobreza, e lembram que o atual recrudescimento da miséria ocorre justamente em momento de enfraquecimento da rede de proteção social e dos programas de transferência de renda, promovidos pelo governo Temer, que coloca a culpa na crise fiscal e nos governos anteriores.

Contudo, apesar de o IBGE ter divulgado, na última sexta-feira, 15 de dezembro, que, em 2016, 25,4% da população (52,2 milhões de pessoas) vivia abaixo da linha de pobreza, e 6,5% (13,35 milhões de pessoas) na extrema pobreza, devido à mudanças metodológicas, o Instituto não apresentou comparativo com os anos anteriores, trabalho então realizado pelos pesquisadores do Iets. De acordo com o IBGE, que, por sua vez, utiliza referencial do Banco Mundial, são considerados pobres aqueles que vivem com até R$ 387,07 mensais, e extremamente pobres aqueles que recebem até R$ 133,72 mensais.

Fonte: www.redebrasilatual.com.br

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.