Notícias › 15/12/2017

Povo Karipuna: “Nossa defesa é nossa união”

Cristiane Murray – Cidade do Vaticano

Povo karipuna teme o impacto das mineradoras em seus rios (Foto: RV)

Povo karipuna teme o impacto das mineradoras em seus rios (Foto: RV)

Simone pertence ao povo Karipuna que habita as Terras Indígenas Uaçá, Juminã e Galibi, no Oiapoque (AP). O território se localiza no extremo norte do estado do Amapá e faz fronteira com a Guiana Francesa. Ao Sul encontra os municípios de Calçoene, Serra do Navio e Pedra Branca do Amapari; ao Oeste, com o município de Laranjal do Jari e é banhado pelo Oceano Atlântico ao Leste.

Ela conversou com a reportagem do  Voz da Amazônia, um projeto realizado pela Equipe de Comunicação da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), em colaboração com a Verbo Filmes, produtora católica ligada à Congregação dos Missionários do Verbo Divino, e o Instituto Humanitas UNICAP, dos jesuítas. “Qualquer empreendimento, qualquer coisa que o governo pensar em nossas terras indígenas, têm que antes nos consultar, têm que antes nos ouvir. Esse é o nosso marco”, disse Simone Karipuna.

Decreto seria a morte dos povos

Simone conta que os Galibi Marworno, Palikur, Galibi do Oiapoquejuntamente com seu povo Karipuna, concluíram que o decreto do governo federal que pretendia extinguir a Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca), seria a morte para seus povos. “Com o decreto a gente ficou muito exposto. Nossas terras estavam expostas demais. Imagina o nosso território sendo ocupado por mineradoras. Porque na hora que entrar em uma região se abre o precedente pra entrar em qualquer comunidade. Então pra nós seria a morte”, disse.

O medo do impacto das mineradoras

Simone lembrou que na ocasião todos os povos se uniram para dialogar e lutar para derrubar o decreto. Ela se diz angustiada sobre a possibilidade de ter mineradoras na região, pois os problemas começariam pela contaminação das águas do rios e igarapés e teme os impactos socioambientais que o empreendimento provocaria. “Imagine?! A gente pensou: é a morte para nós!”, sentenciou.

Nossa união é nossa defesa

Simone lamenta as decisões verticalistas do governo: “Quando a gente vê algo ser construído de uma maneira tão brusca, de cima pra baixo e nós que somos os guardiões, nós que somos os cuidadores desse território, temos que simplesmente receber a notícia e ter de engolir. Então decidimos que a nossa defesa é a nossa união, quando mexe com um, mexe com todos”, e lembra que onde está localizada a Renca, no Amapá e Norte do Pará, são onze povos indígenas identificados, mas que provavelmente são mais.

Fonte: http://br.radiovaticana.va

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.