Notícias › 27/03/2018

Plataforma intergovernamental mostra números das perdas da biodiversidade

Mais de 50% das espécies de mamíferos e aves da África poderão ser extintas até 2100 pelas mudanças climáticas. (Reprodução)

Mais de 50% das espécies de mamíferos e aves da África poderão ser extintas até 2100 pelas mudanças climáticas. (Reprodução)

O homem está por trás de um declínio da biodiversidade do planeta, que agora ameaça seu bem-estar e o coloca diante da primeira extinção maciça de espécies desde o desaparecimento dos dinossauros. A Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços dos Ecossistemas (IPBES) apresentou, na cidade colombiana de Medellín, um diagnóstico do estado da flora e da fauna no mundo.

Dados globais

1. A Terra está experimentando atualmente uma “extinção em massa”, a sexta em 500 milhões de anos e a primeira provocada pelo homem.

2. Cerca de 41% dos anfíbios e mais de um quarto dos mamíferos estão em perigo de extinção.

3. Em média, duas espécies de vertebrados desapareceram por ano no último século.

4. Um total de 28,2% das espécies na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), atualizada em 2017, foram classificadas como “ameaçadas”.

Américas

1. A região tem 13% da população da Terra, mas gera quase 25% do impacto mundial sobre a biodiversidade.

2. Mais de 50% dos habitantes têm problemas de água.

3. Com o cenário atual de mudanças climáticas, espera-se que 40% da biodiversidade original do continente desapareça até 2050. Atualmente, o dano afeta 31%.

4. Um total de 17% da Amazônia se transformou em zonas colonizadas pelos humanos desde a Conquista europeia no século XV.

Outros dados

1. Cerca de 500.000 quilômetros quadrados da África estão degradados pelo desmatamento, agricultura não sustentável, erosão, mineração ilegal, mudanças climáticas ou invasão de espécies não nativas.

2. Mais de 50% das espécies de mamíferos e aves da África poderão ser extintas até 2100 pelas mudanças climáticas.

3. Os peixes para consumo humano poderão acabar na Ásia-Pacífico até 2048 se forem mantidas as práticas atuais de pesca, e até 90% dos corais poderão sofrer “danos graves” até 2050 pelas mudanças climáticas.

4. Cerca de 45% das espécies e hábitats da Ásia-Pacífico desaparecerão até 2050 se não houver mudanças na atual visão empresarial do mundo.

5. Um total de 25% da terra para a agricultura na União Europeia e 23% na Ásia Central estão afetadas pela erosão.

6. Na Europa e na Ásia Central, 26,6% das espécies de peixes tiveram suas populações reduzidas pela pesca insustentável, degradação de seu habitat, mudanças climáticas e invasão de espécies estrangeiras, e a população de anfíbios diminuiu 60% na última década.

Fontes: AFP / www.domtotal.com

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.