Notícias › 03/07/2015

Fim dos lixões pode ser prorrogado

Extinção dos lixões foi estabelecida há quase cinco anos pela Lei dos Resíduos Sólidos.

O texto vai agora para análise e votação na Câmara dos Deputados. (Foto: Divulgação)

O texto vai agora para análise e votação na Câmara dos Deputados. (Foto: Divulgação)

O plenário do Senado aprovou na quarta-feira, 1º de julho, a primeira proposta da comissão especial criada para discutir o pacto federativo. O projeto estabelece prazo de mais dois anos para que os municípios substituam todos os lixões por aterros sanitários.

Pela lei atual, o prazo para o fechamento dos lixões – instituído em 2010 pela Política Nacional dos Resíduos Sólidos – terminou em 2 de agosto de 2014. Com isso, mais da metade dos municípios estão em situação irregular. A proposta sugerida pela comissão tem por objetivo diminuir a pressão financeira sobre os municípios que ainda precisam substituir os lixões pelos aterros sanitários.

O presidente da comissão, senador Walter Pinheiro (PT-BA), defendeu em plenário a votação do projeto antes que a pauta fosse trancada pela leitura de duas medidas provisórias enviadas pela Câmara ao Senado. Pinheiro lembrou que a comissão apresentou uma lista de projetos relacionados ao pacto federativo que estão prontos para votação e que não terão impacto orçamentário que possa prejudicar o ajuste fiscal do governo.

“Essa matéria vai trazer um alívio aos municípios e foi uma das demandas apresentadas durante o encontro que fizemos com os prefeitos aqui no Congresso”, destacou Pinheiro.

Falta de critérios
Em outubro de 2014, noticiamos aqui no EcoD que o governo federal não concordava com a prorrogação do prazo. “Prorrogar para que tipo de solução?”, questionou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, à época. Segundo ela, não adianta apenas estender o prazo sem entender as peculiaridades dos municípios como, por exemplo, aqueles em zona de fronteira, municípios turísticos ou com menos de 50 mil habitantes, que teriam menos receita.

“Se não tiver uma discussão mais objetiva para tratar a questão dos resíduos sólidos, o Brasil não terá critérios que possam identificar os desafios. E temos que respeitar os quase 2,3 mil municípios que cumpriram a lei. Porque esses cumpriram e os outros não? Essas discussões têm que vir para a mesa para que possamos construir o melhor arcabouço legal para erradicação dos lixões”, argumentou a ministra em outubro do ano passado.

O texto vai agora para análise e votação na Câmara dos Deputados.

Eco Desenvolvimento
Fonte: www.domtotal.com

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.