Notícias › 23/03/2016

Articulação Semiárido lança campanha sobre produção de alimentos saudáveis

Hoje é o Dia Mundial da Água. Aproveitando a data, a ASA lança campanha que pretende comunicar a sociedade que o Semiárido é um lugar produtivo e cheio de vida

22.03_campanhasemiaridoquealimentaNeste Dia Mundial da Água, celebrado em 22 de março em todo o planeta, a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) lança a campanha “Semiárido que alimenta, gerando vida e cultivando o futuro”, nas redes sociais. A campanha ficará no ar durante três meses nas páginas da ASA no Facebook, Twitter e Youtube. Nesse período, além de conhecer mais sobre o tema, a população vai conhecer mais sobre a região, as ações desenvolvidas pela ASA poderá contribuir com a doação de recursos que serão investidos em ações de convivência com o Semiárido.

Com 18,2% do território nacional, o Semiárido brasileiro é o mais chuvoso do planeta, porém as chuvas são irregulares no tempo e no espaço, por isso quem vive na região tem na cultura do estoque uma das principais estratégias de convivência com o Semiárido para a garantia da segurança hídrica e alimentar. Com a possibilidade de guardar a água da chuva para continuar produzindo na época da escassez, agricultores e agricultoras cultivam, semeiam e colhem de forma agroecológica e potencializam a região como uma grande produtora de alimentos saudáveis no Brasil.

A estocagem de água no Semiárido fortalece as ações de convivência com o Semiárido e permite as famílias agricultoras ter água para produzir alimentos o ano todo. O Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC) da ASA garantiu a construção de cerca de 800 mil cisternas de 16 mil litros para beber e cozinhar. Desse total, 3.237 estão instaladas em escolas públicas. Pelo Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2) mais de 88 mil tecnologias de segunda água foram implementadas.

No que diz respeito às sementes na região, um mapeamento inédito da ASA identificou milhares de variedades de 54 espécies alimentares e medicinais pesquisadas. Só de feijão de corda são 440 variedades, 335 de feijão comum, 322 de milho, 189 de fava, 116 de jerimum e 106 de batata doce. Esse levantamento faz parte do Programa Sementes do Semiárido que vem apoiando a construção e reforma de 640 casas de sementes, envolvendo 12.800 famílias no processo de fortalecimento da sua identidade e autonomia.

Fonte: www.asabrasil.org.br

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.